Com o avanço da tecnologia frente ao novo cenário vivenciado mundialmente, muitos gestores estão repensando seus planos de continuidade e reinventando processos e procedimentos até então tradicionais para espaços digitais.


Seguindo este mindset de repensar estratégias tecnológicas para promover a saúde do negócio, 70% das organizações – de acordo com uma pesquisa realizada pelo Gartner -, consideram aderir de maneira formal tecnologias cloud até 2022. O que claramente reforça que agora é o momento ideal para agir e estabelecer vantagens competitivas no mercado através da aposta em fundações e migrações de ativos para a nuvem.


Quando falamos sobre a potencialização promovida pelo cloud computing, um dos constantes desafios para diversos líderes está em entender quais tecnologias são mais adequadas para os objetivos da empresa e para manter os custos ou otimizá-los durante a expansão dos negócios.


Hoje, as operações de TI raramente enxergam uma economia antecipada com o investimento em tecnologias cloud e, por isso, tendem a acreditar que questões como estas não passam de ilusão. Contudo, para que este pensamento seja desmistificado, é essencial entender a necessidade de focar em estratégias cloud com base em gestão de demandas e gestão financeira, que garantem visões a médio e longo prazo quanto a redução de despesas globais desnecessárias para a empresa e atrelam a administração automatizada de ativos na nuvem de maneira mais eficiente, ágil, segura e performática (já que os acessos e controles podem ser feitos remotamente e sem paradas de manutenção ou queda dos servidores).


Por fim, vale relembrar a importância de ter um parceiro experiente, que transmita a confiança necessária para não só promover inovação tecnológica, mas também para planejar a melhor estratégia de acordo com seu contexto e objetivos, e impulsionar seu negócio da melhor maneira possível.


*Fonte: https://www.gartner.com/pt-br/conferences/la/infrastructure-operations-cloud-brazil/agenda/featured-topics/cloud-computing