Ao falarmos sobre inovação tecnológica dentro das empresas, os líderes de TI já entendem a necessidade em despender seus esforços na criação de aplicações que contem com um equilíbrio entre flexibilidade, segurança, custo e velocidade. Neste cenário, a migração cloud ganha espaço, se mostrando um grande impulsionador para o negócio, além de ser uma solução que muito agrega frente às necessidades corporativas existentes.

Contudo, apesar de atender muito bem a todas as características necessárias para a transformação digital, muitas vezes as empresas ainda enfrentam dificuldades com questões básicas, fazendo com que ao longo da jornada para a nuvem, os resultados finais estejam longe do esperado por conta de migrações incompletas, atrasadas, com orçamentos excedidos ou até mesmo com falhas.

O que ocorre, é que quando projetos de migração na nuvem falham, o motivo não é exatamente o provedor ou como o trabalho foi realizado, mas sim a seleção incorreta de cargas de trabalho e a falta de atenção dedicada à segurança, governança e outros serviços essenciais.

Por isso, para que a jornada até a nuvem seja a mais adequada possível, é preciso criar um plano organizacional com etapas lógicas, que contemplem:

  • Uma avaliação para identificação da organização das informações existentes, dos benefícios da nuvem e do cenário de TI atual da empresa;
  • Um planejamento para racionalizar o que será executado, priorizando e classificando os aplicativos antes da migração;
  • A migração propriamente dita, elaborada de maneira estruturada para que as cargas de trabalho sejam executadas rapidamente e o tempo de inatividade dos ativos seja o mais curto e previsível possível, garantindo a continuidade das operações e uma sincronização eficiente dos ativos na nuvem adotada;
  • Uma otimização do cenário, onde por meio do trabalho de migração realizado, a empresa consiga o acesso a relatórios integrados com previsão de custos e insights valiosos para gastos inteligentes.

Estes pequenos passos têm um impacto profundo e de longo prazo na agilidade, eficiência e nível de risco da empresa, afinal, é a partir de um plano bem estruturado e alinhado que se torna possível lidar com condições variadas e criar experiências personalizadas para que o projeto de migração para a nuvem seja de fato bem-sucedido.

Vale lembrar também o grande papel realizado pelas consultorias de tecnologia cloud – dentre elas a BMSIX -, que hoje são peças-chave para a elaboração e concretização dos procedimentos de migração, além de trazerem um viés analítico que projetam de maneira precisa a melhor jornada cloud de acordo com cada tipo de negócio.