A cibersegurança é uma pauta cada vez mais presente dentro das empresas, uma vez que a complexidade do ambiente corporativo propicia o surgimento de espaço para novos e complexos riscos de fraudes.

Considerada uma proteção para as informações que são processadas, armazenadas e transportadas nos sistemas interligados das empresas, a segurança no espaço virtual é essencial para os negócios no que diz respeito ao bloqueio das ameaças digitais.

Um relatório realizado pelo Gartner, divulgado em setembro de 2016, mostra que a expectativa é de que cerca de 60% dos varejistas do comércio eletrônico implantem, até 2021, algum tipo de tecnologia de prevenção de fraudes durante ou logo em seguida a um ataque sofrido. Isso mostra que, muitas vezes, as empresas acabam esperando pela chegada de momentos de crise para então realizar alguma ação emergencial, retomando as operações normalmente assim que o problema é contornado. A desvantagem desse tipo de estratégia é que ela não representa uma solução efetiva e abrangente, já que não consegue corrigir as vulnerabilidades existentes no negócio e aumenta as chances de ataques ainda mais severos no futuro.

Outra pesquisa, que consultou 230 especialistas de segurança, mostrou que 75% dos profissionais da área se dizem confiantes com suas estratégias e acreditam que o tema está completamente incorporado em suas culturas corporativas. Porém, os estudos mostram que uma organização enfrenta, em média, 106 ataques cibernéticos por ano e que de cada três ataques, um consegue quebrar as barreiras de proteção, violando a segurança dos dados das empresas.

A contradição existente entre a confiança relatada pelos executivos entrevistados e a realidade dos ataques sofridos pelas organizações demonstra que ainda existem muitos problemas relacionados ao assunto no ambiente corporativo: Embora muitas organizações tenham a clareza do que é preciso ser feito para a condução de uma boa gestão de riscos, os programas de segurança ainda experimentam falhas na identificação e no bloqueio desses cenários de ataques.

É comum encontrar dentro das empresas práticas que segmentam o acesso interno às informações que são consideradas mais importantes e formas de controle em relação às ações dos colaboradores que são registradas na rede. Proteger as informações não passa somente pela implantação de processos tecnológicos, mas também na conscientização de todas as pessoas da organização, para que as informações de clientes, estratégias de atuação e conhecimento operacional sejam tratados conforme as normas e políticas corporativas.

Teste a capacidade de segurança da sua empresa! Realizar testes que busquem simular ataques hackers é fundamental para que a organização consiga fazer uma avaliação real de suas capacidades de defesa diante de ameaças externas. Assim, torna-se possível ter uma boa dimensão do quanto as estratégias de cibersegurança das empresas praticadas são eficazes e quão rápido essas respostas são dadas diante desses ataques.

Trabalhar na prevenção de ataques e fraudes é um fator estratégico para qualquer organização que deseja evitar prejuízos e ganhar em lucratividade, uma vez que as perdas associadas a esses crimes podem chegar a valores extremamente altos, tanto do ponto de vista financeiro, quanto intelectual.